fbpx

Projetos aprovados e captados via ISS RJ estão sem receber os repasses da Prefeitura

Projetos aprovados e captados via ISS RJ estão sem receber os repasses da Prefeitura

A lei 6.737/2020 deu liberdade para o prefeito Marcelo Crivella usar os recursos vinculados de todos os órgãos municipais da forma como lhe convier. Com isso em 29 de abril, Crivella pôs em prática a ideia de tirar da Cultura a verba oriunda do ISS e tendo como justificativa a necessidade de transferência de dinheiro para o combate à pandemia do novo coronavírus.

Mais um golpe na cultura carioca, Marcelo Crivella pode retirar da Cultura um total de R$ 49,7 milhões. O ISS era o único recurso destinado à cultura e dos R$ 54,7 milhões previstos para a arrecadação de 2020, apenas R$ 5 milhões foram repassados aos produtores contemplados. Com a nova lei não há obrigatoriedade do repasse para a Cultura.

Ainda sob discussão se a Lei configura ou não “pedalada fiscal” e pedidos de revogação do artigo que permite ao prefeito tirar da Cultura o montante do ISS a medida traz ao cenário ainda mais instabilidade ao setor. Além de deixar bastante claro qual lugar a Cultura ocupa no atual governo da cidade do Rio de Janeiro.

O setor cultural é um dos mais afetados, quem vive de cultura  teve que cancelar turnês, produções e adiar espetáculos. Além de artistas toda cadeia produtiva do setor, incluindo iluminadores, figurinistas e maquiadores precisam de medidas de apoio nesse momento delicado.

Na cidade vizinha, Niterói, a Secretaria Municipal das Culturas e a Fundação de Arte de Niterói lançaram o projeto Arte na Rede, que desde março vem fazendo uma série de transmissões ao vivo e podcasts com apresentações artísticas remuneradas.

Os programas irão ao ar nas redes sociais da Cultura Niterói (facebook, instagram e youtube) e serão realizados dentro dos parâmetros indicados pela OMS a partir do isolamento de profissionais e artistas envolvidos, que farão tudo de dentro de suas casas.

O objetivo é contribuir com a economia da cultura e também com o usufruto artístico produzindo conteúdos inéditos e de livre acesso ao público que poderá acompanhar tudo de casa.

Os programas  do Arte na Rede irão contar com a participação de artistas de Niterói e região, de diversas linguagens (música, teatro, literatura, cinema, artes plásticas e outros) terão cerca de 1 hora de duração e com a possibilidade de interação do público com os artistas.

Como efetivamente o show não pode parar, a arte usa da sua alta capacidade de adaptação para levar inspiração e um pouco de frescor para o este período tão frágil, mas é preciso tomar ciencia de que o momento requer esforços coletivos. Isso inclui sociedade, iniciativa privada e certamente o poder público.

A pandemia já provocou um trauma coletivo, mortes, medo de contaminação, isolamento social, caos político e econômico marcam esse período da história da humanidade, fragilizando os indivíduos. Será impossível superar sem arte e cultura.

Com a Arte e a Cultura conseguiremos recuperar a liberdade necessária para a (re)construção da normalidade. Os desdobramentos da pandemia só serão suavizados se formos uma sociedade capaz valorar a cultura como identidade social.

Por |2020-07-30T12:06:23-03:007 julho 2020|Desafios da Cultura|0 Comentários

Deixe um comentário